Comunicação, linguagem e fala dos 2 aos 3 anos… o que saber?

Estudos indicam que a comunicação começa a ser desenvolvida ainda in útero. Ao nascer, espera-se que o bebé apenas continue esse processo com o desenvolvimento efetivo de linguagem (compreensão e expressão), da fala e demais aspetos relacionados com a comunicação. Desde cedo, também se torna essencial que os pais estejam atentos à evolução do vocabulário, da extensão e qualidade das frases produzidas pela criança, o seu nível de compreensão do que lhe é dito, a entoação que utiliza no seu discurso, os sons que articula e a forma como o faz (incluindo trocas), o ritmo da fala, a intenção e a iniciativa para comunicar,… enfim, um mundo de descobertas! Neste artigo, focam-se apenas os aspetos mais relevantes relacionados com o desenvolvimento da linguagem e da fala em crianças entre os 2 e os 3 anos de idade.

 

Ao nível da compreensão auditiva de material oral…

  • … identifica e compreende objetos de uso comum e as suas principais características;
  • … identifica conceitos pela função (em objetos e imagens);
  • … entende ações associadas às suas rotinas, cumprindo instruções objetivas;
  • … compreende adjetivos simples (Ex.: grande/pequeno, muito/pouco, …);
  • … percebe questões simples com 2 palavras de conteúdo (Ex: Queres água no copo?);
  • …compreende, em média, entre 300 (24M) a 900 palavras (36M).

 

Quanto à expressão oral…

  • … diz o seu nome (completo ou não) a pedido, bem como a idade;
  • … nomeia e refere a função de objetos relacionados com o seu quotidiano;
  • … já usa verbos e adjetivos em frases até 4 palavras;
  • … faz perguntas simples;
  • … hesita e repete sílabas/palavras (produz entre 50 a 100 palavras);
  • … usa primordialmente a oralidade no faz de conta – que inicia nesta fase (Ex.: representação de papéis na casinha);
  • … o seu léxico cresce substancialmente através do jogo/da brincadeira;
  • … produz muitas onomatopeias e outros sons ambientais, conseguindo relacioná-los aos conceitos (a partir de objetos ou de imagens).

 

Quais os principais sinais de alerta? Esteja atento(a) se a criança…

  • … não combinar pelo menos 2 palavras (frases telegráficas) (Ex.: Dá “bóua”!Qué” pão!)
  • … não apresentar um discurso percetível para as pessoas próximas;
  • … usar palavras isoladas ou apenas frases telegráficas, não construindo frases simples;
  • … apresentar um nível de vocabulário muito reduzido;
  • … revelar dificuldades em adquirir vocabulário e de expandi-lo;
  • … não conseguir identificar objetos, animais, alimentos ou outros conceitos relacionados com o seu quotidiano;
  • … não conseguir executar ordens com um ou dois itens;
  • … revelar dificuldades na compreensão de questões (Ex.: Quem…? O que é isto? Onde?…)

 

Algumas dicas/estratégias/ideias que poderão ajudar nesta fase…

  • Brinque, identificando e nomeando as partes do corpo da criança quando esta se veste, assim como o vestuário;
  • Ensine canções, trava-línguas e lengalengas simples;
  • Brinque com a mímica facial/faça jogos com caretas (Ex.: Encher as bochechas de ar, beijinhos para o ar, soprar, língua para fora, cima e baixo, …);
  • Promova um ambiente auditivo rico que envolva a criança, falando com a criança sempre que possível;
  • Encoraje a criança a escutar os sons que a rodeiam, fazendo com que os discrimine (Ex.: Olha, alguém bateu à porta! Olha, o gato está a miar!);
  • Fale ao nível da criança sempre que possível (não se esqueça que é um modelo e que a criança aprende e otimiza a fala através da imitação);
  • Ensine a criança a usar saudações/expressões com fins de interação social (Ex.: Por favor! Obrigado! Se faz favor! Olá…Bom dia! Adeus!)
  • Reserve 30 minutos por dia para ir falando com a criança sobre o seu dia a dia de forma estruturada;
  • Dê sempre o modelo correto das palavras (não use diminutivos), pronunciando-as corretamente, mas sem exageros;
  • Conte muitas histórias, realize jogos e promova sempre a exploração de vocabulário e de frases nos seus contextos;
  • Não se esqueça que a linguagem se aprende melhor com o acesso à realidade (nesta fase, a criança valoriza o visível, palpável e o que é vivenciado);
  • Peça para a criança repetir a produção de uma palavra que não entendeu usando expressões pela positiva como Diz! Ou Podes repetir para ver se percebi?;
  • Deixe a criança iniciar a comunicação e não a interrompa. Brinque com a “troca de turnos” na comunicação e valorize o contacto visual;
  • Faça perguntas progressivamente mais abertas para fomentar a utilização de frases cada vez maiores e mais ricas (em forma e conteúdo);
  • Explore os brinquedos e as brincadeiras da criança – diga-lhe o que são, características, utilidade, etc. (Ex.: O telefone faz triiimm, é verde e serve para falar com outras pessoas que não estão perto de nós. Está na sala, não é? Vamos falar com a avó?);
  • Use os gestos e a mímica facial em complementaridade com a linguagem oral. Isto enriquece a comunicação.

Boas brincadeiras e jogos! Boas conversas! Boas comunicações!…

Deixe um comentário